Ocasos de Polícia

Domingo, 6 Maio 2007 (16:47)

porteiro.jpg

# OCASO 1
Processo 0003456/W

DESCRITIVO
À porta do estabelecimento comercial nocturno “W”, uma cidadã foi impedida de entrar no referido espaço por um dos seguranças em serviço.

ANEXO:
Descrição da ocorrência
Processo 0003456/W

A cidadã aproximou-se da porta de entrada do estabelecimento comercial “W” e mostrou um convite que dispensava o pagamento de uma taxa de acessibilidade. Segundo testemunhas oculares, entre o segurança e a cidadã estabeleceu-se o seguinte diálogo.

SEGURANÇA – É só um bocadinho.

A cidadã aguarda nova indicação.

SEGURANÇA – Desculpe, a senhora não está em condições de entrar.

CIDADÃ – Como? Não estou em condições de entrar?

SEGURANÇA – Não, a senhora tem de aguardar aqui.

CIDADÃ – Tenho de aguardar aqui! Mas por que razão?

SEGURANÇA – A senhora está alcoolizada e não pode entrar.

CIDADÃ – Estou alcoolizada! Como é que o senhor sabe isso?

SEGURANÇA – A senhora não está em condições de entrar.

Um cidadão que acompanhava a cidadã intervém.

CIDADÃO – Desculpe, mas não me parece que a taxa de álcool desta senhora seja relevante como critério de acesso…

SEGURANÇA – Então, não vê que a senhora está alcoolizada! A senhora não pode entrar!

CIDADÃO – Desculpe, mas, além de estar a fazer uma afirmação que carece de fundamento, como lhe disse, os eventuais níveis de álcool desta senhora não são relevantes para impedir o seu acesso a este espaço! Caso contrário, possivelmente, 70 a 80 por cento dos restantes clientes também não reuniriam condições para entrar.

SEGURANÇA – Como é que o senhor sabe que 70 por cento das pessoas que entraram estão alcoolizadas?

CIDADÃO – Não sei. Tal como o senhor também não sabe se esta senhora está alcoolizada ou não. Mas sei que eu estou alcoolizado e a mim e o senhor não me impediu de entrar.

SEGURANÇA – Mas o senhor está em condições de ter uma conversa comigo e esta senhora não!

CIDADÃO – Ah, então o critério de entrada nesta discoteca é a disponibilidade que os clientes revelam para manterem diálogos com os seguranças?

CIDADÃ – O senhor não pode fazer isto! Não me pode impedir de entrar.

SEGURANÇA – São 150 euros.

CIDADÃO – Espere, estou um pouco baralhado…As pessoas que não revelem disponibilidade para manterem uma conversa de ocasião com o segurança têm de pagar 150 euros para entrar? É isso?

SEGURANÇA – O senhor está a querer ensinar-me a mim como é que se trabalha? Eu sei ver se uma pessoa está alcoolizada ou não!

CIDADÃO – Então, se a senhora pagar 150 euros deixa de estar alcoolizada? E nesse caso, eu, que estou realmente alcoolizado, também deveria pagar 150 euros?

SEGURANÇA – Mas o senhor está em condições de falar comigo!

CIDADÃO – Nesse caso, como fui bafejado com o dom da palavra, não preciso de pagar 150 euros…

RELATÓRIO
O segurança violou o dispositivo legal vigente ao impedir a cidadã de entrar no estabelecimento comercial, uma vez que o grau de alcoolemia da cidadã não constitui razão de impedimento válida. O segurança incorreu em nova violação legal ao pedir um segundo valor de entrada, 150 euros, que não correspondia ao valor inicialmente requerido.

Agente-Chefe Silva
PSP de Alcântara

526236.jpg

# OCASO 2

DESCRITIVO
Cinco cidadãos que tinham acompanhado a cidadã constante do ocaso 2, referente ao espaço comercial “W”, foram identificados na prática de contra-ordenação respeitante à utilização de substância proibida.

ANEXO
Descrição da ocorrência
Processo 000456 W/b)

Entre os agentes de autoridade e os cinco cidadãos que incorreram em prática de contra-ordenação estabeleceu-se o seguinte diálogo.

AGENTE 1 – Boa noite. Polícia de Segurança Pública. Os vossos bilhetes de identidade, por favor.

CIDADÃO 1 – Desculpe? Qual é a razão disto?

AGENTE 1 – A razão é o que o seu colega estava a fazer.
(Queimava, com isqueiro, uma substância ilícita)

CIDADÃO 1 – Se essa é a razão, como os senhores sabem, a posse de haxixe não constitui prática de crime!

AGENTE 1 – Não é crime, mas é uma contra-ordenação!

CIDADÃO 1 – Então, se não é crime não existe razão para nos abordarem dessa forma e solicitarem os bilhetes de identidade…

CIDADÃO 2 – Isto é um abuso de poder! Os senhores sabem perfeitamente que nós não estamos a praticar qualquer crime…

AGENTE 1 – O seu bilhete de identidade, por favor…

CIDADÃO 2 – Não, primeiro quero ver a sua identificação…

AGENTE 1 – Porquê? Não a viu?

CIDADÃO 2 – Não, não vi…

AGENTE 1 – Primeiro, quero ver a sua…

CIDADÃO 2 – Aqui está…E a sua?

AGENTE 1- Está contente?

CIDADÃO 2 – Não. Não percebo a razão de nos estarem a incomodar se nós não estamos a incorrer em nenhum tipo de crime…

AGENTE 1 – Ai, não percebe?

CIDADÃO 2 – Não, não percebo…

AGENTE 1- Então, já viu onde é que nós estamos?

CIDADÃO 2- Onde é que nós estamos?

AGENTE 1 – Estamos em Alcântara.

CIDADÃO 2 – Sim e então?

AGENTE 1 – Então? Então, não sabe o que se passa em Alcântara.

Nesse momento, vários indivíduos pedem licença aos agentes de autoridade para passarem e dizem “Olha, os charrons, olha os charrons à paisana”.

CIDADÃO 1 – Ah, ah, ah.

CIDADÃO 2 – Ah, ah, ah.

CIDADÃO 3 – Ah, ah, ah.

CIDADÃO 4 – Ah, ah. ah.

CIDADÃO 5 – Ah, ah, ah.

CIDADÃO 2 – Continuo a não perceber a razão de nos estarem a incomodar…

AGENTE 1 – Do nosso trabalho, percebemos nós…

CIDADÃO 1 – O seu trabalho devia ser identificar e deter indivíduos apanhados em flagrante na prática de crime, o que não é o caso…Por exemplo, poderiam estar neste momento numa qualquer mansão da Quinta Marinha a deterem pessoas por tráfico de coca…Ou podiam andar uns metros e visitar algumas casas aqui em Alcãntara onde os senhores deveriam saber que existe prática corrente de tráfico de heroína e cocaína…

AGENTE 1 – O senhor está a querer arranjar problemas?

CIDADÃO 2 – Não, estou apenas a discordar dos seus critérios de actuação.

AGENTE 1 – Mostre-me o seu bilhete de identidade.

CIDADÃO 1 – Aqui está.

AGENTE 1 – O senhor Nuno é de 1974?

CIDADÃO 1 – Sim, alguns meses após o 25 de Abril, o que me permite estar a manifestar a minha opinião sobre a sua actuação.

AGENTE 1 – O senhor deve mesmo querer arranjar problemas?

CIDADÃO 1 – Porquê?

AGENTE 1 – O senhor está a levantar a voz.

CIDADÃO 1 – Sim, mas levantar a voz também não constitui prática de crime. Ou será que existe um limite de decibéis para manifestar a minha opinião.

O agente 1 telefona para a central a confirmar as identidades.

AGENTE 2 – Vocês têm de perceber o nosso trabalho. Eu também já estive desse lado.

CIDADÃO 2 – Não, nós não podemos perceber a razão de nos estarem a chatear.

CIDADÃO 3 – Sim, se querem encontrar alguma coisa, porque não entram no W? Ali, iriam encontrar alguma coisa de certeza.

AGENTE 2 – Eu percebo o vosso lado, mas vocês também têm que perceber o nosso trabalho.

Agente 1 acaba os telefonemas

AGENTE 1 – O Sr Nuno sabe que tem ficha na polícia?

CIDADÃO 2 – Provavelmente, deve ter sido multado por excesso de velocidade.

AGENTE 1 – Não, não foi uma multa de trânsito.

CIDADÃO 1- Nesse caso, existe uma ficha sem o meu conhecimento. Isso, sim, parece-me ilegal.
AGENTE 2 – O que o meu colega quer dizer é que se o senhor já apresentou queixa contra alguém, por exemplo, então tem ficha na polícia.

CIDADÃO 1 – Nesse caso, sou capaz de ter ficha. Mas não consigo perceber a relevância disso para nos terem incomodado.

AGENTE 1 – O senhor sabe porque é que nós viemos ter convosco?

CIDADÃO 1 – Sim, porque estávamos a fazer um charro.

AGENTE 1 – Sim, mas só viemos falar com os senhores porque vimos o que se passou à porta do W com a vossa amiga.

CIDADÃO 1 – Pois, foi pena que não tenham chegado mais cedo.

AGENTE 1 – Exactamente, se tivéssemos chegado mais cedo, podíamos ter intervido a vosso favor e obrigado a discoteca a pagar uma coima.

CIDADÃO 2 – Olhe, mas isto vai durar muito mais tempo? Nós não vos estamos a incomodar e os senhores não têm razões para nos incomodar a nós! Logo, o que é que ainda estamos aqui a fazer?

AGENTE 1 – Ai, o senhor quer ir-se embora?

CIDADÃO 1 – Quero.

AGENTE 1- Então, vá-se embora. Pode ir.

CIDADÃO 1 – Ah, ah, ah.

CIDADÃO 2 – Ah, ah, ah.

CIDADÃO 3 – Ah, ah, ah.

CIDADÃO 4 – Ah, ah, ah.

CIDADÃO 5 – Ah, ah, ah.

RELATÓRIO:
Os cidadãos que se encontravam na posse de substância ilícita não praticaram qualquer espécie de crime.

Agente-Chefe Silva
PSP Alcântara

Anúncios

6 Respostas to “Ocasos de Polícia”

  1. O Mariachi Iñarriatu dIAZ said

    Tão giros…

    Já os estou a ver úteis à sociedade como nunca os vi ser:

    “O seu B.I., por favor”, “Mas porquê, Sr. Agente?”, “Porque está com um bidão de 20 litros de gasolida a atear fogo ao Parque Nacional da Peneda Gerês”, “Mas foi o Sr. Almerácio que me mandou”, “Quem, o construtor da Almerácio & Pleonástio, Lda?”, “Sim, esse!”, “Ah, então pode seguir, por favor e desculpe o incómodo. E quando os indivíduos da TVI o forem incomodar, chame-nos, que nós intervimos a seu favor”…

    Ainda antes de entrar no jipe: “não é assim, ateie do outro lado, a favor do vento… ainda queima as falanges”, e o inevitável humor policial português: “Veja lá não faça xixi na cama, ah ah ah ah”.

  2. nenuco said

    Ou até “Veja lá se não brinca com o fogo”…Santa paciência para aturar estas merdas!

  3. Espalha Brasas said

    Não disseste: “Ó xô guarda!”. Eles adoram ser chamados de xô guardas!!

  4. nenuco said

    Não, porque nesse momento uns blacks disseram “ó charron, ó charron à paisana” e eu fiquei sem palavras.

  5. Toni Rebel said

    apresentáste queixa contra quem, seu charrón11????

  6. nenuco said

    Contra um vizinho, na Picheleira, que me furou 10 vezes os pneus do carro, rebentou as fechaduras e riscou a pintura…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: